O QUE FAZER COM…
MAPAS E GUIAS TURISTICOS

 

“O que fazer com” é a nova rubrica incluída neste blog que promove soluções simples para organizar e encaminhar vários tipos de items que se vão encontrando pela casa.

Hoje falamos mapas e guias turísticos porque muitos estão a chegar de férias e outros tantos estão a planeá-las. Assim, pode ser uma boa altura para rever e reorganizar estes livros e folhetos.
Normalmente são guardados por diferente razões:
· a intenção de voltar a esse destino e assim reutilizá-los;
· a possibilidade de os rever para recordar as férias, ou então
· apego sentimental pela boa experiência da viagem.

Seja como for, é bom rever de tempos a tempos. Assim, se acha que tem demasiados artigos de viagens e não sabe bem o que fazer com eles, este artigo é para si.

Como começar?

Antes de mais, reveja mentalmente quais os destinos que gostaria de revisitar. Pode querer repetir os que lhe surpreenderam e marcaram mais ou então prefere visitar um sítio diferente de cada vez – afinal, há todo um Mundo por descobrir. Tire um momento para pensar nisso.

Agora já está mais mentalizado para enfrentar todos os mapas e livros-guia que decidiu guardar até hoje.
Estando perante estes, questione-se quais os que realmente quer voltar a usar – seja numa próxima visita, ou num momento de recordação que lhe dê especial gosto. Vá separando os que não lhe tragam particular entusiasmo ou repetições desnecessárias. É que mesmo que queira voltar a um destino fantástico, pode preferir nova pesquisa (p. ex. internet ou amigos), ou até, quem sabe, vai querer perder-se pelas ruas e ser espontâneo.

 

 

Depois dessa seleção, sugiro que tire apontamento das rotas que fez, monumentos, museus e cafés que tenha gostado (acaba por ser um bom exercício de memória). Se quiser junte bilhetes de comboio e concertos para tornar tudo mais expressivo.
Nada melhor que um livro de viagens vivido e com notas pessoais! Assim vai ser mais fácil e prazeroso revisitar esses sítios, nem que seja apenas em recordações.

Com todos com que decidiu ficar, junte-os num dossier ou caixa. Dessa forma saberá sempre onde tem os artigos de viagens, e quando chegar a casa com algum mapa novo ou ideia para próximo passeio, já sabe qual o seu lugar.
Com os mapas que não têm especial relevância, mas tenham interesse estético ou significado emocional, porque não emoldurá-los? Fica bonito e é uma peça de decoração original.
E com os items de que se conseguiu libertar (com o mínimo de qualidade), pode entregar à biblioteca, alfarrabista, ou dar a alguém que esteja interessado nesses destinos.

Aqui a ideia é – como de costume – é forçarmo-nos a fazer um ponto de situação com o que temos, e evitar “guardar por guardar”.

E boas viagens!

Se tiver algumas peças que não sabe bem o que fazer com elas, escreva-nos com mais sugestões para “O que fazer com…”.

 

Salvar