HOBBIES LEVES

 

Há umas semanas falámos dos passatempos cujos acessórios nos consomem bastante espaço. Procurámos questionar se trazem mesmo prazer e valor ao nosso quotidiano. Pois o tema não estaria completo se não tivéssemos algumas sugestões do que eu chamo “os hobbies leves”.
Ou seja, passatempos que não exijam a aquisição de novas coisas nem envolvam demasiado equipamento.
Vamos a isso?

Caminhada

Junte-se a um grupo ou faça-o sozinho. É uma boa forma de conhecer o que nos envolve, conviver ou simplesmente tirar um tempo a sós. Dica: vá variando de cenário ou rota para extra inspiração.

Buscas

Proponha-se a novos desafios! Comece a procurar o melhor (                            ) da cidade. O melhor café, o melhor hamburguer, o melhor croissant… o que quiser. É um desafio crescente e fá-lo conhecer melhor a zona onde vive.

Trabalho voluntário

Há vários tipos serviços que são precisos, e que nos enchem o coração. Ler para crianças na biblioteca, ajudar necessitados, estar presente para idosos ou auxiliar abrigos de animais. A lista é mais vasta do que imaginamos e pode sempre encontrar algo que se adapte a si e ao que gosta de fazer.

Yoga

Não é necessário muito espaço, e só precisa de um tapete e um instrutor (há boas aplicações e vídeos do youtube, se não quiser contratar um).

Encontros com amigos

Nada como reforçar laços com pessoas. E para isso não é preciso muito. Mesmo que não tenha disponibilidade para sair, pode fazer sessões de cinema em casa com pipocas e umas bebidas, maratonas de séries, ou um lanche onde cada convidado traga um petisco.

 

Prepare os seus tempos livres, que em breve virão mais ideias!

 

 

Caso seja preciso

 

É daquelas pessoas que prefere ter um stock abundante em casa, “caso seja preciso”?

É muito comum haver promoções em vários tipos de produtos, sejam artigos de higiene, utilidades, alimentação ou até beleza. São descontos “limitados ao stock existente” ou apenas válidos por uns dias, e por isso quase irresistíveis. É perfeitamente natural que se queira comprar a mais para aproveitar esse desconto.

Mas qual é a fronteira entre o poupar e trazer coisas a mais para casa? Aliás, o que é que esse “poupar” implica no seu espaço?

 

 

Acontece que quando nos deparamos com promoções, somos inevitavelmente atraídos para elas e muitas vezes compramos até coisas que não precisamos! Ou compramos um volume muito maior do que a necessidade só para aproveitar.
Cada família, estilo de vida e espaço são diferentes, por isso nunca há uma quantidade certa de coisas.
Mas se costuma ir às compras semanalmente, não é necessário abastecer-se para um mês ou dois. Porque na realidade, há descontos com muita frequência! Dão-nos a entender que “é agora ou nunca”, mas raramente se dá o caso.

Também é importante saber que se o seu armário/despensa/prateleira é limitado, deve adaptar-se a esse espaço, em vez de se expandir para o chão ou outros locais, só para fazer caber o stock que comprou. Porque aí é que entra a tranquilidade, conforto e funcionalidade da sua casa, que não devem ser comprometidos!
Por exemplo, se só tem vaga para 12 rolos de papel higiénico pode evitar comprar um pack de 24 ou 36, mesmo que tenha um super preço.

Aqui estão princípios para gerir melhor o seu stock:

Quantidade mínima. Defina para si mesmo qual a quantidade mínima que o deixa confortável. Ou seja, o sinal para que precise de comprar mais. Seja um pacote de arroz ou a embalagem de champô a meio, esteja atento a partir daí para possíveis descontos.

Vaga. Ao fazer a compra, certifique-se que tem espaço suficiente em casa. Pode ser frustrante perceber que tem que apertar e atafulhar o seu espaço se tiver comprado coisas a mais.

Rotação.  A regra é simples: o primeiro a entrar é o primeiro a sair. Ao comprar novos produtos, disponha-os atrás dos antigos. Assim evita ter stock parado, e não corre o risco de ter em casa coisas fora do prazo. Se comprou algo por impulso que afinal não usa, dê a alguém que possa apreciar.

 

E lembre-se, sempre se pode tranquilizar pensando “qual o pior cenário possível?” Porque afinal de contas, caso falte algo nunca é tão dramático como possa parecer. Quase nada é insubstituível, e há sempre mini-mercados ou lojas perto para os essenciais.

 

AFIE OS SEUS LÁPIS

 

Decidiu voltar a estudar? Que boa decisão!
É um estímulo extra para a mente e prova como qualquer altura é boa para continuar a aprender.

Este artigo é interessante para todos mas sobretudo para os que vão começar agora uma etapa nova: o regresso às aulas enquanto adulto!

Nesta altura, é importante preparar terreno e criar um local de foco e tranquilidade para os seus momentos de concentração. Assim, também conseguirá uma melhor gestão de tempo entre o trabalho, vida pessoal e estudos.
Eis três factores importantes para começar com o pé direito:

 

Secretária

Uma mesa limpa e pronta a ser usada é essencial! Pousar livros, papéis e computadores à vontade dá mais conforto ao estudo. Se tiver alguma mesa disponível para o efeito em casa ótimo, senão há boas opções de escritórios compactos, ou pode simplesmente ter um sistema mais portátil, como explico abaixo.

Material

Antes de comprar o que quer que seja, reveja nas suas gavetas e arquivos se tem cadernos em branco, bem como outros materiais que possam ser usados agora. Escolha os que mais gosta porque são estes detalhes que dão mais gosto a qualquer actividade.
Também convém ter uma pasta ou mochila pronta para sair de casa a qualquer momento Aqui, tente manter sempre o material essencial das aulas – livros, cadernos, etc. Ou seja, se os usar volte a colocar tudo lá dentro para não correr o risco de lhe faltar algo se sair de casa à pressa. Por vezes ajuda ter à mão uma lista dos “essencias da mochila”, para fazer um check-up rápido antes de a fechar.

Mesmo se não tiver um local exclusivo para o estudo e o fizer por exemplo na mesa da cozinha ou num café, com os essenciais da mochila é mais simples transportar para qualquer lado e no fim re-arrumar de volta.

Produtividade

Cada pessoa tem a sua forma preferida de aprendizagem – algumas preferem silêncio, outras algum ruído de fundo. No seu nicho de estudo mantenha uns auscultadores por perto, pode querer silenciar o barulho à volta para se concentrar melhor, ou ouvir a sua música preferida.

E para os que têm dificuldade em encontrar um momento para a concentração, eu sugiro ancorar o estudo a algo que já faça parte do seu dia-a-dia. Por exemplo, se os seus filhos têm hora certa para fazer os TPC , porque não se junta? No mesmo local ou em separado, cria-se um momento de foco conjunto. Ou se costuma ter um tempo livre aos domingos antes de jantar, pode ser uma boa altura para se entregar aos livros. Assim, torna-se mais fácil arranjar tempo para outras coisas de que gosta sem prejudicar o rendimento de estudo.

E com estas sugestões simples se prepara para ser o melhor da turma!
Boas aulas!